whatsapp (51) 9.8430.0773

luzdaaurora@luzdaaurora.com.br

Rua Santo Antônio 306 / 308

Bairro Floresta CEP 90220-010

Porto Alegre - RS

CONTATOS

(51) 3028 9827

3084 5729

3212 9271

 

GPS de um Cuidador de Vida:

Os princípios orientadores - segundo Padre João Almendra

1º - CRENÇA (fé, espiritualidade, reconexão, piloto automático,TE LIGA).

2º - CIÊNCIA (filtro, piloto manual, pé no chão; nem flutuação nem afundamento).

3º - CONSCIÊNCIA (atenção, vigilância, escuta, estar desperto).

4º - DEFINIÇÃO (decisão, procura da melhor saída, porque procrastinação  gera estresse e sentimento de culpa.

5º - HUMILDADE (na prevenção, na ação, na avaliação, transformando erros e limites em sabedoria).

6º - ACOLHIDA (valores diferentes. cada ponto de vista é vista só de um ponto).

7º - SIMPATIA (sempre bom nível de frequência energética).

8º - POSICIONAMENTO (chega de Evangelho fofo!!). Gl. 2:11

9º - SABEDORIA (apresentando experiência de conhecimentos).

10º - OBJETIVO (VIDA PLENA)

 

----------------------------------------------------

----------------------------------------------------

 

AÇÃO DO LÍQUIDO CÉREBRO ESPINHAL

NO ORGANISMO

- por Padre João Almendra

O líquido cefalorraquidiano (LCR) é filtrado da circulação sanguínea e secretado, através de uma rede de capilares, constituída pelas células ependimárias, que revestem os ventrículos e também o canal central da medula espinhal. Em alguns locais as células são ciliadas, o que facilita a movimentação do líquido cefalorraquidiano. Uma pessoa adulta possui de 100 a 150 ml, circulando ao redor do cérebro e da medula espinhal.

O líquido formado no plexo coroide dos ventrículos laterais flui para o terceiro ventrículo e daí vai para o quarto ventrículo e entra no espaço subaracnóideo, por onde circula ao redor do cérebro e ao longo da coluna espinhal. Está presente no corpo inteiro.

A reabsorção do líquido, de volta para o sistema nervoso, ocorre ao longo do seio sagital superior, que são prolongamento da membrana aracnoide, em forma de couve flor.

A circulação do líquor, por todo o corpo, produz um movimento rítmico como as marés, pode ser percebido, por meio de uma palpação adequada, como se percebem os ritmos respiratório e cardíaco.

Segundo Dr Still, criador da osteopatia “o fluido cefalorraquidiano é o mais alto elemento dono corpo humano. Este grandioso rio da vida deve ser desbloqueado e os bancos secos devem ser irrigados imediatamente, ou a colheita da saúde estará perdida para sempre.”

Funções:

Protege o cérebro e a medula espinhal de choques e permite que o cérebro flutue dentro do crânio. É um meio de ligação das sinapses dos neurônios (recepção e transmissão). Nutre o sistema nervoso e permite a eliminação de toxinas entre o sistema nervoso e o sangue.

----------------------------------------------------

----------------------------------------------------

 

 

A DECISÃO LIBERTA E DÁ SEGURANÇA

- por Padre João Almendra

A vida é movimento contínuo e nos solicita repetidas escolhas, decisões. A indecisão ou indefinição cria um estado de espírito de não “ata nem desata, não deslancha”, deixando ser dirigido em vez de dirigir, deixando que a vida nos leve em vez de levarmos a vida.

Tomar decisões, portanto, é um fator crucial e fundamental para o nosso bem-estar físico e principalmente mental, que está diretamente ligado à nossa autoconfiança, autoestima, autodeterminação e assumir a própria autonomia, as próprias responsabilidades. Quem não toma decisões é como aquele que está sempre em cima do muro, recorrendo aos amigos ou parentes mais próximos em busca de opiniões seguras que revelem o que ele deve fazer, por que ele não confia em si mesmo para tomar uma decisão.

Um dito do povo: uma pessoa andava em cima do muro; de um lado estavam os demônios, do outro lado os anjos representando o reino de Deus, que a chamavam – vem, desce, desce para o nosso lado! Então ela resolveu perguntar porque os demônios não a chamavam para descer do muro e eles lhe disseram: ” Porque o muro é nosso!”

Uma indecisão, ausência de determinação ou resolução, é geralmente um estado emocional de aflição em que uma pessoa não consegue escolher uma das opções a que ela é submetida. Pode ser desde coisas simples, como uma cor ou modelo de bolsa, até alguma decisão em que poderá mudar diretamente ou drasticamente a vida da pessoa.

Tão grave quanto a indecisão é a procrastinação, que leva muitas pessoas a perder excelentes oportunidades de sucesso em planos variados.

As decisões podem ser divididas em seis grandes áreas: saúde, financeira, segurança, recreacional, social, e ética.

Em primeiro plano está sempre a vida, a saúde. Embora se diga que a decisão financeira: dói no bolso e que a parte mais sensível do corpo humano é o bolso, eis o que diz um empresário, que saiu de Porto Alegre e hoje mora em Fortaleza com a mulher: Decidir pela minha vida, pelo autoconhecimento, e saber gerenciar meus medos, minha ansiedade, me fez ter confiança para realizar muitos sonhos. Depois disso, nunca mais tive crises de pânico. Encontrei a felicidade.

A palavra de Deus diz:“Conheço as suas obras, sei que você não é frio nem quente. Melhor seria que você fosse frio ou quente! Assim, porque você é morno, não é frio nem quente, estou a ponto de vomitá-lo da minha boca.” Apocalipse 3:15-16

----------------------------------------------------

----------------------------------------------------

NEUROPLASTICIDADE

Elkhonon Goldberg - Neurologista da Universidade de New York,

Diretor do Instituto de Neuropsicología e Funcionamento Cognitivo.

 

Sabia que o cérebro melhora com a idade?

 

As últimas investigações científicas demonstram que a atividade mental modifica o cérebro e nos conduz ao que conhecemos como “SABEDORIA”. Estes últimos descobrimentos se inserem no que se denomina NEUROPLASTICIDADE.

 

Durante muitos anos se acreditou que, a partir de certa idade, o número de neurônios não se renovava mais. As últimas investigações da neurociência demonstram que o cérebro pode se regenerar mediante seu uso e potenciação. A chave para alcançar o sucesso se chama: “NEUROPLASTICIDADE” que é moldar a mente, o cérebro, através da atividade. “O cérebro muda de forma, segundo as áreas que mais utilizamos, segundo a atividade mental.

 

Em março de 2000, investigadores da Universidade de Londres descobriram que os taxistas dessa cidade tinham uma parte do cérebro, o Hipocampo -região importante para a memória espacial -, particularmente desenvolvida, muito mais que o resto das pessoas. Os taxistas desenvolviam mais essa zona porque a exercitavam mais, memorizando a cada dia ruas e caminhos. Nesses homens e mulheres, sua capacidade para memorizar ruas e caminhos não diminuía, mas aumentava com o passar dos anos. 

Em 2002 cientistas alemães descobriram a mesma coisa na Circunvolução de Heschl dos músicos, área do córtex cerebral importante para processar a música.

Em 2004 os mesmos resultados teve o Instituto de Neurología de Londres, na circunvolução angular esquerda, estrutura cerebral importante para a linguagem, no cérebro das pessoas bilíngües. 

 

DESTAS EXPERIÊNCIAS SE PUDERAM OBTER OS SEGUINTES RESULTADOS:

 

• Nós, seres humanos, podemos criar novos neurônios ao longo de toda a vida

• O esforço para criar novos neurônios aumenta mediante o esforço mental

• Os efeitos são específicos: dependendo da natureza da atividade mental, os novos neurônios se multiplicam com especial intensidade em diversas zonas cerebrais.

 

Os novos neurônios vão ficar nas zonas do cérebro que mais usamos. 

Isto se denomina “neuroplasticiadade”: a atividade pode moldar a mente.

Isto demonstra a importância de se manter uma atividade mental intensa, conforme envelhecemos. O exercício físico protege nossa saúde cardiovascular. O exercício cognitivo protege nossa saúde cerebral, é fator de proteção contra demência e senilidade. 

O moderno estudo da neuroplasticidade demonstra que os cérebros das pessoas mais velhas não degeneram, mas têm uma evolução particular, de acordo com a atividade realizada, o que torna essas pessoas “sábias” quando chega a velhice.

O CÉREBRO MUDA DE FORMA SEGUNDO AS ÁREAS QUE MAIS UTILIZAMOS.

Nas pessoas, à medida que envelhecem, se dá naturalmente uma deterioração maior no hemisfério direito que no esquerdo. Isto ocorre porque usam mais o hemisfério esquerdo, que é o encarregado de colocar em marcha tarefas já aprendidas e consolidadas.

Para aprender algo, necessitamos mais do hemisfério direito, mas quando alcançamos certo nível de perícia, essas atividades passam a ser controladas pelo hemisfério esquerdo.   

Ao longo da vida, acumulamos um repertório de destrezas cognitivas

 -habilidades e capacidade para reconhecer padrões- que nos permitem abordar novas situações com familiaridade. É o que popularmente chamamos de “EXPERIÊNCIA”.

À medida que envelhecemos, nossa atividade mental está mais dominada por essas “rotinas cognitivas”, pelo “piloto automático”. Isto não é ruim, pois permite resolver problemas complexos mediante o “reconhecimento instantâneo” de padrões, sem muito esforço, problemas que podem representar um verdadeiro desafio para uma mente mais jovem.

 

Porém, a estimulação cognitiva, que obriga a utilizar o hemisfério direito, é um ingrediente no estilo de vida que ajuda a evitar a deterioração do cérebro.

A corrente científica dominante respalda a afirmação de que a vida mental intensa desempenha um papel essencial no bem-estar cognitivo, nas etapas avançadas da vida.

 

Que tal a idéia de incluir o exercício cognitivo de forma regular, como um traço do nosso estilo de vida? Sería extraordinário se nossa incipiente compreensão

da função da neuroplasticidade na conservação da saúde mental, desse lugar ao aparecimento de um novo fenômeno de massa: O FITNESS MENTAL!

Criação original de autor anônimo.

Reedição de formato cortesía de Carlos Rangel.

Santiago de Querétaro, México. Abril de 2008.